Sexta-feira, 26 de Outubro de 2012
Covelo de Paivó - Regoufe - Drave (PR13+PR14) - Arouca


Partida e Chegada - Covelo de Paivô

Extensão - 17,7 Km

Duração - 7h (com paragens)

Dificuldade – Moderada

Carta Topográfica - 155 e 156

Ficheiro GPX - olhar aqui




Para plataformas móveis olhar fotos aqui.



Descrição


Na “Senda do Paivô” (PR13 – ver folheto) a caminho da “Aldeia Mágica” (PR14 – ver folheto), eis o objectivo. São dois percursos de pequena rota, homologados e marcados nos dois sentidos.

Optou-se por iniciar o percurso em Covelo de Paivô e daqui partir em direcção a Drave com passagem por Regoufe a meio do caminho.

Atravessando a aldeia de Covelo de Paivô em direcção à sua capela, passando pelas suas traseiras entra num caminho agrícola que contorna os campos e o levará a entrar num caminho tradicional lajeado.

Este caminho levá-lo-á direitinho até à aldeia de Regoufe. Durante o caminho poderá contemplar o rio Paivô que corre no fundo do vale e os sulcos dos rodados dos carros de bois gravado nas pedras do caminho, fruto de longos anos em que este era o único caminho que ligava as aldeias de Covelo de Paivô e Regoufe.

Quando o caminho entrar numa zona de sobreiros é sinal de que está próximo de Regoufe. O mesmo caminho entra na aldeia por baixo de uma ramada de vinhas.

Chegando à aldeia de Regoufe atravesse-a em direcção às minas abandonas aí existentes. Contemple o quotidiano da aldeia, as actividades agrícolas e o deambular dos animais pelas suas ruelas.

As minas de Regoufe foram exploradas pelos ingleses durante a II Guerra Mundial em busca do Volfrâmio. Ao percorrer os caminhos e entrando nos edifícios que aí jazem em ruínas imagine como seria aí um dia de trabalho com cerca de 1000 pessoas.

É ainda possível encontrar em alguns edifícios a cor original das paredes interiores e alguns mecanismos que o tempo ainda não se encarregou de os fazer desaparecer, destacam-se uma máquina de funcionamento a vapor e as lavarias do minério. Para os mais aventureiros é possível entrar em algumas das muitas galerias existentes.

De volta ao objectivo, Drave – a aldeia mágica, há que voltar a Regoufe e atravessar a ribeira com o mesmo nome por uma ponte aí existente.

Inicia-se assim uma subida íngreme com muita pedra solta mas em breve estará no ponto mais elevado do percurso, “Mato de Belide” designação constante na carta topográfica mas mato nem vê-lo, deve ter tido o mesmo fim que muita floresta no nosso país… Aproveite para avistar daqui o maciço da serra da Freita e Arada com a sua “garra” que se estende até ao vale do rio Paivô.

A partir daqui é sempre a descer até Drave, inicialmente por um estradão florestal e após avistar à sua esquerda, encaixada no fundo do vale, a aldeia mágica onde se destaca a sua capela branca, segue à esquerda por um caminho tradicional lajeado.

Seguindo agora na companhia da ribeira de Palhais a aldeia aproxima-se a cada passo revelando progressivamente a sua magia e beleza que culmina no término da subida de uma última colina, junto a um cruzeiro, em que a aldeia aparece em primeiro plano.

O olhar é simplesmente sublime e como que hipnotizados fica-se ali parado no caminho a contemplar aquele cenário que por mais palavras que se tentem encontrar para descrever o que se vê e sente o melhor é mesmo ir ao local.

Aqui percebe-se o porquê de “Aldeia Mágica”… sem palavras!

Construída na base de uma encosta de xisto, na confluência de três ribeiros, destacam-se a capela caiada de branco e o “Solar dos Martins” tudo o resto se funde com o ambiente envolvente numa harmonia total.

Atravesse a ponte de acesso à aldeia e percorra cada palmo da aldeia onde cada pedra carrega certamente a história e o esforço de quem a colocou naquele lugar dando origem a Drave.

Hoje esta aldeia desabitada mas não abandonada, sem qualquer infra-estrutura de água, saneamento, electricidade, telefone ou mesmo rede móvel, permanece isolada da civilização sendo apenas acessível a pé. Serve como Base Nacional da IV do Corpo Nacional de Escutas que tem vindo a encetar esforços na reconstrução de algumas casas da aldeia e na dinamização da aldeia com as suas actividades ao longo de todo o ano através dos seus elementos. Um bem-haja ao CNE por este projecto muito bem conseguido.

Pode-se perder no tempo pela aldeia, nos campos de cultivo, na sombra das árvores ou refrescar-se nas águas dos ribeiros o caminho de regresso é o mesmo. Será que quer regressar?

 

Olhares Positivos

- vista sobre o maciço das serras da Freita e Arada;

- vista sobre a aldeia de Drave;

- riqueza paisagística;

- riqueza geológica.

 

Olhares Negativos (menos positivos)

- talvez os geradores eólicos mas é discutível, existem situações em outros locais bem mais negativas para a paisagem;

- era também objectivo desta caminhada a subida ao Portal do Inferno a partir de Drave que por impedimento climatérico e de limitação de tempo ficam para uma próxima certamente.

 

Observações

- poderá obter mais informações sobre o complexo mineiro da Poça da Cadela (Regoufe) (geossítio 22) e a “Garra” (geossítio 23) aqui;

- como exemplo da riqueza geológica, se não reparou, o percurso entre Covelo de Paivô e Regoufe é todo feito sobre pedra granítica e entre Regoufe e Drave sobre xisto;

- poderá ver um outro olhar sobre este percurso em Vales Errantes.



publicado por olharessublimes às 23:59
link do post | comentar | favorito

com o apoio de
olharessublimes@gmail.com
olhar no
  
olhares anteriores

Serra da Arada (Póvoa das...

Covelo de Paivó - Regoufe...

Rota das Tormentas (PR5) ...

procurar olhares
 
tags

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

abrótegas

alvarenga

arouca

arrifana

aveiro

barca d'alva

canelas

cantarelo

castro laboreiro

cidadelhe

citânia de sanfins

conho

costa da sabrosa

covelo de paivô

côvo

drave

dunas s. jacinto

encosta do sol

felgueira

fonte fria

gestoso

gestozinho

gourim

janarde

la fregeneda

lamalonga

linha do tua

lomba do pau

loriga

malfeitoso

manhouce

meitriz

minas dos carris

mizarela

moldes

monte padrão

monte pilar

mosteiro nossa senhora assunção

mourô

penha dos abutres

pico da nevosa

pico do sobreiro

pitões das júnias

portal do inferno

portela do homem

portela do leonte

póvoa das leiras

prados caveiros

prados da messe

quedas de fervença

regoufe

rossas

rota dos túneis

salgueiro

santa maria do monte

santo tirso

são pedro do sul

serra da arada

serra da estrela

serra da freita

serra de montemuro

serra do gerês

silveiras

torre

torrinheira

vale de cambra

vidoal

vidoeiro

xertelo

todas as tags

número olhares
aviso
A reprodução dos textos, fotografias, vídeos ou outros elementos deste blogue é expressamente proibida sem autorização escrita do autor. Para qualquer autorização por favor contacte o autor. A cópia ou reprodução não autorizada é punida por lei.